Notícias Fecomercio

17 de outubro de 2018

Saturada de informação, sociedade tem medo; populismo se nutre disso e se fortalece por meio das mídias sociais


Em entrevista ao UM BRASIL, filósofo Luiz Felipe Pondé afirma que mídias sociais têm vocação populista e discute democracia no País e no mundo

O populismo encontra meios de fortalecer seu discurso por meio das mídias sociais. Elas permitem a conexão, interação e compartilhamento de conteúdo e são os meios pelos quais inúmeras pessoas se informam na atualidade. Em entrevista ao UM BRASIL, realizada em parceria com a Expert XP, o filósofo e pós-doutor em Epistemologia Luiz Felipe Pondé fala sobre o tema.

“O populismo aparece como alguém que diz falar em nome do povo para resgatar a democracia das mãos das elites e tem um reforço significativo na presença das mídias sociais, que têm uma vocação populista porque dá voz a todos. E, embora as pessoas vivam situações de impasses (problemas profissionais, financeiros, amorosos, fracassos), elas tendem a achar que a administração política de um país é mais simples. A vida das pessoas fica no ‘cinza’, mas elas têm a ilusão de que, no governo, vai ser ‘preto no branco’ e que existe alguém capaz de fazer isso”, explica.

Segundo ele, o populismo é uma “espécie de falha cognitiva”. “A política e a democracia exigem muita cognição. É muita informação, muito dado, muita pós-verdade. E, nesse universo de demanda cognitiva gigantesca, muita gente projeta uma expectativa de simplicidade mesmo que ela tenha na vida dela uma experiência de não simplicidade”, reforça.

Na conversa, o professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) aponta que o populismo se nutre e se aproveita do temor das pessoas. “O medo é um dos sentimentos mais presentes na nossa vida hoje. As pessoas têm medo porque há informação demais. E toda mente saturada de informação corre o risco de virar paranoica. O paranoico é aquele que acha que tudo faz sentido. O são é aquele que sabe que algumas coisas da vida não fazem sentido. O excesso de informação, a acessibilidade à informação, as transformações, a dificuldade de saber como será daqui a 50 anos, tudo isso gera temor.”

Ele fala da crescente polarização e cita nas mídias sociais o aparecimento de uma voz de parte da população com discursos violentos e racistas, mas não dissocia o Brasil do resto do mundo. “A democracia brasileira está em um momento delicado, assim como várias no mundo estão”, conclui. Assista à entrevista completa aqui.

 

Voltar para Notícias